A Última Música (2010)

22 out

Miley Cyrus, a tão famosa e querida pelas adolescentes Hannah Montana, se tornou mais uma daquelas atrizes que tentam provar que possuem algum talento, quando na verdade, deveriam permanecer em seus seriados televisivos e gravação de videoclipes (Béyonce, Jennifer Lopez…). Não que haja problema em tentar papéis diferentes, mas o fato é que, para todos nós, existem limitações, e Cyrus prova isso neste A Última Música, adaptação do romance do escritor água-com-açúcar Nicholas Sparks (autor de Um Amor para Recordar e Diário de uma Paixão, além do recente Querido John), e onde a atriz teen tenta seu primeiro papel sério.

Na história, Miley Cyrus é Ronnie, uma adolescente com alguns problemas que, junto de seu irmão, vai passar o verão com o pai; este, divorciado da mãe dos garotos. Lá, ela precisa redescobrir os seus valores e “aturar” o amor de um pai que se arrepende amargamente de tê-los deixado.

Desta breve sinopse, podemos perceber que o problema central do filme está na própria obra literária de Nicholas Sparks. Novamente utilizando uma trama básica e completamente previsível, foi difícil para a diretora estreante Julie Anne Robinson conseguir escapar das armadilhas maniqueístas do roteiro, que possui inúmeras situações premeditadas, feitas com o único objetivo de emocionar a quem assiste. Tudo o que se passa na tela é mais do que óbvio: a protagonista é uma adolescente irritante, enquanto que o pai tem como único objetivo recuperar o amor de sua filha. Não poderia faltar, é claro, o irmãozinho inocente e metido a adulto e, o essencial, o galã bonitinho e sarado, em cuja primeira cena já surge suadinho e sem camisa, pronto para fazer a protagonista suspirar e, evidentemente, as adolescentes de 13 anos, fãs de Miley Cyrus, que estarão assistindo a esta montanha de clichês.

Falta para Sparks a sutileza para esconder toda essa previsibilidade, afinal, é possível utilizar os clichês ao seu favor. Todos os conflitos possuem conclusões apressadas, e por vezes, inverossímeis. O que dizer, por exemplo, da cena em que o pai vai até a praia onde a filha está protegendo ovos de tartaruga apenas para afastar o interesse amoroso da garota de perto dela? Algumas cenas depois, já vemos o pai feliz da vida pelo fato de sua filha ter beijado o rapaz! Nada menos que constrangedor.

Do mesmo jeito que Sparks é isento de sutileza, a diretora Robinson não apresenta a mínima força de vontade para criar algo interessante no que diz respeito ao andamento da trama. A diretora apenas leva a história adiante, não mostrando nenhuma força de vontade em tornar a história menos cansativa ou arrastada. A diretora não cria nenhum momento genuinamente bom, dando para cada cena o seu toque forçado e irritante.

E como já dito, Miley Cyrus prova que é uma atriz (ainda) cheia de limitações. Ora, para alguém que, até ontem, só participava de um seriado meia-boca da Disney, uma boa atuação não era de se esperar, certo? Dito e feito: Cyrus não apresenta a mínima segurança em cena, devendo principalmente nas cenas mais duras, quando não consegue transmitir nenhuma emoção realmente verdadeira. Pelo menos, a atriz admitiu publicamente que precisa tomar aulas de atuação, o que já é um ótimo pontapé inicial.

Liam Hemsworth, que interpreta o par romântico de Cyrus, não passa de um modelo em cena, que só faz exibir seu rosto bonito e corpo bem definido. Bobby Coleman, que já havia realizado um interessante trabalho em Ensinando a Viver, aqui possui pouco espaço como o irmão da protagonista, soando completamente desperdiçado, e por vezes insuportável. O único ponto forte do elenco é Greg Kinnear, que surge bastante à vontade em cena como o pai da protagonista.

Ao final, A Última Música não passa disso: um trabalho insosso e preguiçoso, feito com o único objetivo de levar o espectador as lagrimas a todo custo e passar a imagem de que Miley Cyrus está se tornando uma atriz séria. Será preciso um exemplo bem melhor…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: